28 de março, Dia Nacional dos Centros Históricos

4 anos depois...a esperança renova-se


"A construção e a demolição, o avanço e o recuo, estiveram sempre presentes na evolução das urbes. Um centro histórico é como um corpo composto por várias células, onde não podemos dissociar as partes do todo. Mas também não é menos verdade, que qualquer célula necessita de se regenerar. As dinâmicas de desenvolvimento da matriz urbana dos centros históricos e a sua relação com a restante ...cidade, podem e devem contribuir para alcançar soluções inovadoras que promovam a revitalização destas zonas adormecidas através do combate à sua sacralização e consequente “museificação”. Independentemente das ideologias, torna-se quase impossível libertarmo-nos do passado, afinal a sociedade assenta sobre um quadro genético, onde a memória tem uma importância fundamental, e como tal, todo o ser humano, desde a sua nascença, vai assimilando tudo o que o rodeia e isso vai repercutir-se nas suas acções, logo no espaço físico que o envolve diariamente. Como tal, urge um equilíbrio, nesta relação tão delicada entre passado e o futuro, valorizar o passado, sim, mas projectando e promovendo o futuro dos edifícios e dos lugares, logo da sociedade."

André Duarte Baptista, 2014
Comunicação "matriz urbana e identidade do lugar - Centro Histórico de Torres Vedras"
Congresso "O Centro Histórico no Novo Paradigma Urbano"

Comentários

Mensagens populares