segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

à janela, no Hospital Egas Moniz


 
Hospital Egas Moniz, Junqueira, Freguesia de Alcântara
 
2 horas de espera dão para muita coisa - acabar um livro, fazer telefonemas e claro, um desenho. Da sala de espera, tinha duas opções (nascente ou poente), escolhi nascente, pela ponte.
Todas as vistas tê mum denominador comum: a arquitectura do Estado Novo - desde a ponte 25 de Abril, aos vários pavilhões que compõe este complexo hospitalar, Inicialmente denominado de Hospital Colonial, tendo como impulsionador o Rei D. Carlos, que desde sempre se interessou pelas doenças tropicais.
O complexo foi construído nos terrenos da antiga Quinta do Saldanha. O 1º pavilhão foi inaugurado em 1925, sendo financiado por Macau.
Inicialmente pertencia ao Ministério do Ultramar e era dirigido aos antigos combatentes, motivo pelo qual, em 1948, passou a Hospital de Ultramar.
Até à década de 1970, muitas foram as alterações e ampliações, ganhando a configuração que hoje conhecemos.
É em 1974, quando se assinala o centenário do Dr. António Egas Moniz, que o governo decide alterar o nome para Hospital Egas Moniz.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Caderno de Campo_Encosta de S. Vicente V

da rua das linhas de torres (torres vedras), apresenta-se com um único piso. mas na verdade tem dois pisos, conforme o demonstra este desenho, que foi feito numas escadinhas que ligam o miradouro meia-laranja, à rua maria pereira, rumo à ermida nossa senhora do Ameal. "Arquitectura popular" década 50/60, com cobertura de duas águas. 2 fracções, uma no piso superior, outra no piso inferior. provavelmente "prédio de rendimento", como tantos outros que foram construídos nessas décadas, acolhendo os operários das indústrias existentes, como por exemplo a Casa Hipólito ou Francisco António da Silva.