quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Desenhar com Mateus Rosada (SP-Brasil)

Hoje abro uma exceção. Publico um desenho que não é meu. Melhor, é meu porque me foi oferecido. Mas não é de minha autoria.
É um desenho do Mateus Rosada, urban sketcher de São Paulo, que me honrou com a sua visita. Tive o prazer de o receber em Torres Vedras, a minha cidade. Tínhamos combinado desenhar muito, mas acabámos por falar mais do que desenhar. Falámos sobre desenho, mas sobretudo falámos desta relação especial entre Torres Vedras e Brasil.
Obrigado Mateus, pelo desenho e por me trazeres mais um pouco do Brasil até Torres Vedras.
 
Até sempre...
 
 
 

Desafio 60 USK Portugal



Antigo Convento de Penafirme - Torres Vedras


Pode desenho transformar algo tradicionalmente feio, em algo belo?

Claro que sim, quando me falam destas questões, lembro-me sempre de um dos autores que me levaram a cultivar o gosto pelo desenho: Piranesi (Itália - 1720-1778). Os seus desenhos de ruínas são de uma beleza inigualável. A beleza dos seus desenhos tiveram a capacidade de despertar a humanidade para a inventariação e slavaguarda do património. Os seus desenhos são poéticos e são a prova provada de que é possível transformar o feio em belo.

Falar de Piranesi e depoi partilhar um desenho meu é talvez das coisas mais estúpida que tenha feito, mas gostava de partilhar convosco o porquê de eu gostar de ruínas.
São belas, pelas marcas do tempo e do homem. São belas pela forma como se relacionam com a envolvente. São belas pela forma como se desmoronam e vão-se fundindo com o solo.  São belos rasgos de luz que nelas penetram. São belas porque são portadoras da nossa história e identidade. 
São feias, porque na maioria dos casos são o reflexo da não existencia de mecanismos (dinheiro e vontade) que possam conservar estes edifícios.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Desenho com o Tomás

Domingo, dia 15 de novembro, uma manhã de sol, o Verão de S. Martinho teima em ficar.
 
Pai, vamos desenhar ? Sim, onde? Santa Cruz, depois escolho o quê...
Pai, já sei, vamos desenhar os aviões.... Ok?
 
 
Aeródromo de Santa Cruz - Tomás em pleno trabalho
 
Foi uma experiência interessante. Apesar de viver junto a eles, desde sempre, foi a 1ª vez que estive parado a olhar para eles e a desenhar.
 
Os dois desenhos que se seguem são do Tomás, que fê-los à pressa com medo que descolassem. Foi um bom exercício, obrigou-o a soltar o traço :-)
 


 

Estes são os meus, completamente ofuscados pelos do Tomás!!!!
 

 
De seguida fomos até à praia, onde fizemos mais uns desenhos
 
 
Escultura de homenagem ao poeta japonês Kazuo Dan.
 
"Kazuo Dan, um dos mais populares escritores japoneses do período do pós-guerra, nasceu na província de Yamanashi, no dia 3 de Fevereiro de 1912, quando o seu pai aí trabalhava como engenheiro num laboratório nacional. Fonte: http://praiadesantacruz.com/stcruz/stcruzkazuo-bio.htm
 
A escultura tem vários carateres japoneses. O Tomás começou a desenhar, mas não teve tempo de desenha-los todos, por isso não me deixou digitalizar o seu desenho...
Enquanto ele se divertia, eu consegui fazer uns riscos. Agora tenho de treinar mais, pois o mestre Tomás é bastante exigente.


 

sábado, 14 de novembro de 2015

esquecido_Inauguração do Choupal

26_setembro_2015
 
No dia 26 de setembro foi dia de (a)Riscar o Património, mas não só..
Também foi dia de inauguração do Parque Verde do Choupal em Torres Vedras.
No final do (a)Riscar fomos à inauguração e eu fiz alguns desenhos para assinalar este dia tão especial para os torrienses. Aqui fica um desses desenhos.
 
 
 

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

dia de S. Martinho, Feriado Municipal em Torres Vedras

Ontem foi dia de S. Martinho, Feriado Municipal em Torres Vedras. Um dia fantástico, com muito sol. Fomos até à praia.
 
 
Praia de Ribeira D'Ilhas - Ericeira - Mafra


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Casa João do Rio: a nossa estreia

Há muito que este dia vinha sendo adiado, no entanto desta vez, por uma conjugação de fatores, finalmente aconteceu: a minha estreia na Casa João do Rio, uma verdadeira Casa da Cultura. Graças à generosidade da Maria Celeste esta casa tornou-se numa referência identitária dos urban sketchers Portugal, um espaço onde todos se sentem em casa. Tive o privilégio de sentir o porquê desta relação tão especial. Para além do abraço contagiante da Maria Celeste, fomos recebidos (eu, Marta e Tomás) por outros urban sketchers e pela Helena Monteiro, que nos presenteou com os seus desenhos feitos este ano em Florença. Penso que todos nós viajámos até Florença através dos seus desenhos.
 
 
 
Quando cheguei à Praça João do Rio, encontro a Isabel Braga a desenhar. Como não sabia qual seria a casa, detenho-me sobre uma perspetiva e começo a riscar, para assinalar o memento. Estou a testar um caderno que me ofereceram no Brasil. Ultimamente não tenho comprado cadernos, vou riscando aqueles que me vão oferecendo.

 
Tentei riscar (sem sucesso) a Helena e a Maria Celeste. Peço desculpa pela minha falta de jeito, mas prometo que fi-lo com as melhores das intenções :-)
 
Para além da fantástica apresentação da Helena e do convívio entre amigos, retenho sobretudo o regresso do meu filho Tomás ao desenho. A Casa João do Rio, com "todas as coisas antigas" (palavras do Tomás), inspiraram-no e desde esse dia tem desenhado mais que eu (em quantidade e qualidade). O Desenho que se segue é de sua autoria.

 
Obrigado Helena e Maria Celeste pela óptima tarde. Até breve

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

dia de desenho

manhã
os moinhos na paisagem - alto da bordinheira - entrada norte da bordinheira - Ventosa - Torres Vedras
os moinhos na paisagem - estrada entre bordinheira e arneiros - a poente
 
 
tarde
depois de uma manhã solitária, nada melhor que uma tarde na companhia de amigos e família.
Centro Ambiental de Torres Vedras - Portugal 2055 - encontro de desenho e apresentação da BD Portugal 2055, com Penim Loureiro
 
 
 
 
alguns desenhos que consegui fazer
 
Este desenho contou com a preciosa ajuda da Ana Frazão, mais precisamente na pintura da copa das árvores. Obrigado Ana


 

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

desenho vadio

A caminho de Lisboa, encontrei este conjunto arquitetónico, um velho casal largado ao abandono à espera de melhores dias. Fica numa freguesia rural do concelho de Torres Vedras
 
 
De regresso, não resisti a encostar na berma e desenhar estes "dois meninos": Castelo de Torres (direita) e forte de S. Vicente (esq)
 
À espera de um amigo. Já foi tempo em que eu me chateava quando tinha de esperar por alguém.