quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Sal, Cabo Verde - Parte III

 
Font"e"nário. É assim mesmo que por aqui se chama. Todas as cidades têm esta infraestrutura e todas em azul escuro. A alegria dos habitantes que frequentam o espaço, escondem a tristeza que representam: a escassez de água potável na Ilha do Sal. Raras são as casas com água da rede. Uma casa que tenha electricidade e água ligadas às redes, paga uma média de 100€/mês: um verdadeiro luxo. Num país onde ordenado mínimo nacional é de 100€, não é fácil, obrigando a maioria das pessoas a deslocarem-se aos "fontenários". Apesar dos médicos desaconselharem o consumo desta água devido ao elevado nível de calcário, as dificuldades acabam por falar mais alto. E desenganem-se se pensam que esta água é de borla - é paga e posteriormente levada em garrafões ou jerricans até às suas casas, onde no terraço têm um depósito para receber a água.  Desde que fiquei a saber desta realidade, passei a valorizar cada gota de água que passei a beber.
 
Os hotéis com as suas áreas ajardinadas, que precisam de ser regadas constantemente, estão a agravar este problema. Uns dias mais tarde fiquei a saber que os nossos amigos ingleses estão a pensar fazer no Sal, aquilo que fizeram no nosso Algarve: hectares e hectares de campos de golfe. Uma ideia divinal, num território onde a água é considerada um "luxo", porque efectivamente não existe. 
 
 
À esquerda temos a Igreja Matriz (católica), construída no final do séc. XIX. O interior é bastante modesto e depurado.
 
Direita - a  Casa Manuel António Martins, onde viveu este antigo povoador da ilha do Sal e importante industrial (salinas). Segundo a tradição, este é um dos primeiros "casarões" da ilha e data da segunda década do séc. XIX.  Este edifício, a par da Casa Viana, encontram-se em processo de classificação - património cultural. Ainda bem. Registei um apontamento - um dos 3 marcos de pedra, que assinalam a entrada na propriedade. Em tempos serviu para amarrar as mulas e cavalos, mas também os escravos que trabalhavam nas salinas.
 
 
Esquerda - Santa Maria, Igreja O Nazareno.
 
Direita - Espargos. Quando no dia 3, desenho a Igreja O Nazareno em Santa Maria, estava longe de imaginar que no dia seguinte, numa excursão à ilha, iria encontrar outra igreja semelhante, na cidade de Espargos, a capital do Sal. Parece que a comunidade religiosa O Nazareno tem "sucursais" em toda a ilha...
 
 
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário